segunda-feira, 7 de março de 2016

O NARDO

Antes de iniciar essa reflexão, eu fui pesquisar o significado do nardo, e, e no página da internet, em www.significados, encontrei o que gostaria de falar aqui, sobre as Funções medicinais do nardo. Procurando sobre o nardo, o que encontrei?  Vamos ler a definição:

“O Nardo (Nardostachys jatamansi), (...), é uma planta originária do Nepal, China e Índia cujo óleo essencial é usado como perfume ou para fins medicinais. É uma planta da família das gramíneas, que pode crescer até 1 metro de altura e que apresenta flores brancas e cor de rosa em forma de sino. A palavra nardo também pode ser sinônimo de perfume, porque o óleo aromático é usado para fazer perfumes.”, quanto as funções medicinais do nardo, descobri isso:  “O bálsamo de nardo também tem várias propriedades medicinais, sendo usado no tratamento da pele (possui propriedades antiinflamatórias, fungicidas e bactericidas), para tratar dor de angina, varizes ou hemorróidas. Além disso, também tem um efeito sedativo, sendo usado como calmante. Também possui características anticéticas, sendo usado para tratar problemas no sistema digestivo e respiratório.”

“Na Bíblia, os óleos eram usados para ungir uma determinada pessoa, normalmente com o objetivo de atribuir autoridade a uma pessoa que vai exercer alguma função, como um rei ou um profeta, por exemplo. Além disso, a unção com um óleo também ocorria quando alguém necessitava de cura. O óleo feito com as flores de nardo é mencionado 24 vezes na Bíblia.
A expressão fazer descer o nardo pode significar ungir alguém com esse óleo.”
PARA ESPANTAR O CHEIRO DA MORTE E ADORAR A DEUS DE MANEIRA TÃO INTENSA ATÉ QUE O VASO NÃO RESITA E SE PARTA EM MIL PEDACINHOS E O NARDO SE ESPALHE ENCHENDO TODA A CASA, INVADINDO O CÉU NA PRESENÇA DE DEUS E DOS ANJOS
- O que devo fazer? Vamos ler João 12 e Marcos 14.

- Atenção para João 12:3 O episódio mais conhecido com o óleo de nardo ocorreu em João 12:3: “Então Maria pegou um frasco de nardo puro, que era um perfume caro, derramou-o sobre os pés de Jesus e os enxugou com os seus cabelos. E a casa encheu-se com a fragrância do perfume.”
No capítulo 14 de Marcos, é mencionado que o frasco de perfume em questão custava 300 denários, quantia que correspondia aproximadamente a 300 dias de salário, o que significa que era um óleo muito caro.”
- O que aconteceu?
- E aquela mulher?
- Que ousadia, fé e amor?
- Ela era uma adoradora, tinha dentro dela esse espírito de adoração. Olha o que fez!

Uma pessoa meramente RELIGIOSA e HIPÓCRITA naquele episódio se levantou para questionar aquela louca adoração daquela mulher. Uma louca adoração mesmo, para alguns hipócritas que só se contentaram em viver no nível da religiosidade, sem transcender o natural para adentrar o santo dos santos, alcançando o sobrenatural que é o trono da graça, onde se encontram o Pai, o Filho e o Espírito Santo, um trono que não se encontra apenas no céu, mas dentro de cada um de nós.


- Leia 1 Cor. 3:13.


No mesmo capítulo de 1 Cor. 3 diz no verso 15 que as obras daqueles que permanecem apenas no nível da religiosidade vão se queimar! Que horror! Terrível, não? Viver uma religiosidade não significa muito para Deus, o significado maior está na essência da nossa adoração e o quanto eu estou disposto a adorar, extrapolando essa pré-disposição ao ponto de deixar-se partir enquanto adora, em mil pedacinhos para que o Oleiro Amado nos façam de novo, quantas vezes precisar, Ele fará de novo, de novo e de novo, até que um dia estejamos para sempre com Ele na sua glória.

O nardo que a mulher derramou sobre Jesus revela em seu ato uma atitude de adoração. Revela o desejo ardente (lembra do “Burning Hearts”, slogan da conferência em fevereiro, no carnaval?), pois é, aquela mulher tinha um coração ardente, para fazer o que fez. E era de tal maneira ardente o coração dela, que não pensou duas vezes, ela foi até Jesus, invadiu aquela casa cheia de preconceituosos homens, e quebrou o vaso. Ao fazer isso, aquela mulher manifestou o desejo de sua alma, em mandar para longe o cheiro de morte, para que esse maldito cheiro não viesse a existir sobre Jesus. Aquela mulher estava literalmente dizendo que a MORTE não deixaria seu cheiro em Jesus, fizesse o que quisessem fazer com o Filho de Deus, porém a MORTE NÃO TERIA PODER SOBRE ELE, a morte, NÃO PODERIA CONTÊ-LO, o túmulo não podia suportá-lo. Ele venceria a morte, e venceu, ressuscitando ao terceiro dia, levando consigo o cativeiro e libertando multidões e multidões das prisões do inferno e do poder de satanás. A mulher, ao quebrar o vaso, o que ela queria do fundo de sua alma, era que aquele AROMA perdurasse, se entranhasse pela eternidade, adentrando o lugar da morada do Altíssimo  e chegasse ao TRONO de Deus, inundando todo o céu, com seu cheiro aromatizante. Ela estava cheia de AMOR e FÉ suficientes para fazer isso, e fez, com a atitude de uma adoradora em potencial, e com a atitude de quem trás a adoração em si. São pessoas como esta mulher que o Pai procura: João 4:23

Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem.”

Uma proposta indecente e louca para os que se encontraM no nível religioso, e um desafio
- A Proposta (JEREMIAS 18:1-4).
- o desafio (MARCOS 14:1-6,8-10).

O primeiro passo: Vá à casa do Oleiro. A segunda sugestão é um desafio: Faça uma loucura, quebre o vidro de alabastro.

Sem querer julgar ninguém, sem nenhum tipo de preconceito ou prejulgamento da minha parte, imaginem a situação daquela mulher: 
- Será que não poderia ter sido ela, uma prostituta? 
- Uma mulher mal vista e mal quista na sociedade daquela época? 
- Quem era aquela mulher que entrou na sala onde estavam reunidos apenas homens e quebrou o frasco?

A Bíblia narra um episódio de Jesus expulsando 7 demônios de uma mulher prostituta  que teria se convertido depois de ser libertada por Ele.
- Jesus expulsou sete demônios dela diz Mc. 16.9; Lc. 8.2
- Em Lucas 7:37 diz era uma mulher pecadora, aquela que ungiu Jesus.

Mas foi ela que alcançou maior glória ao VER que Jesus tinha ressuscitado, e a primeira a levar a notícia, mesmo desacreditada, ela fez isso: deu a notícia em primeira mão! (João 20:1-18)
Ela VIU o Filho de Deus! Viu a Glória de Deus! Desfrutou de maior graça. Não é o que diz Paulo em Romanos 5:20?
“... onde abundou o pecado, superabundou a graça”.
A graça superabundou na vida daquela mulher pecadora, mas porque não economizou em deixar-se quebrar como vaso, não economizou e exagerou na adoração e por isso viu a glória de deus. Esse foi o resultado final de uma adoração intensa!
Quero isso!
O Pai procura verdadeiros adoradores que o adorem em espírito e em verdade (João 4:23), então vamos sair do nível da religiosidade, começando neste exato momento. Agora!
- Deixa o NARDO cair sobre você.
- Deixa o NARDO espantar o cheiro de morte em você! Que cheiro de morte você exala? Que cheiro você deveria exalar? Se você já exala o bom perfume de Cristo, então deixe esse cheiro adentrar os portais do Altíssimo, alcance o trono de Deus agora! Alcance o trono da graça agora!
Seja curado, em nome de Jesus...
Seja curado, agora! Amém?
Em nome de Jesus.


Amém!
JESUS TEVE UMA MULTIDÃO DE DISCÍPULOS
(Publicado em 03-03-2016)

Antes de iniciar, essa reflexão, deixe-me perguntar uma coisa: Jesus teve apenas doze discípulos? Doze apóstolos apenas, em sua época?

Parece que não. Abra a sua Bíblia no Evangelho de João 6:64-66. Veja a palavra que está registrada no capítulo seis, versos 64 a 66 diz:

“Mas há alguns de vós que não crêem. Pois Jesus sabia, desde o princípio, quem eram os que não criam, e quem era o que o havia de entregar. E continuou: Por isso vos disse que ninguém pode vir a mim, se pelo Pai lhe não for concedido. Por causa disso muitos dos seus discípulos voltaram para trás e não andaram mais com ele.”

Veja que no trecho lido há uma referência que nos leva ao entendimento de que Jesus tinha, abre aspas “muitos discípulos”, fecha aspas. São estas as palavras de João, aquele que tinha maior intimidade com Jesus. E por que ele teria dito isso? Ora, porque de certo, Jesus não teve apenas doze, mas sim uma multidão de discípulos. A diferença é que muitos o abandonaram, e apenas doze permaneceram ali ao lado dele, o que não quer dizer que essas pessoas não retomaram depois a sua caminhada como discípulos. Não há relatos sobre isso, porquanto, não poderei aqui afirmar.

Veja o que está escrito em João 6:67: “Perguntou então Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos?”

Pense comigo:
- Por que Jesus diria esta palavra?
- Por que faria esta pergunta?
- A que público-alvo ele se dirigiu nesse momento?

Ele se dirige aos doze que restaram ali, depois de seu duro discurso, feito aos judeus. Olha o que Pedro respondeu, em João 6:8: “Respondeu-lhe Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna.”

O QUE ACONTECEU COM A MULTIDÃO DOS DISCÍPULOS DE JESUS?

Uma multidão ouviu aquele discurso, registrado em João 6:22-59, onde Jesus fala que é o Pão da Vida, e que, se comessem da sua carne, e bebessem do seu sangue, teriam a vida eterna, não sentiriam mais fome, quem se alimentasse da sua carne, e não sentiria mais sede, quem bebesse do seu sangue.
Os judeus não compreenderam esse discurso, porque estavam cheios de explicações racionais, baseadas na Lei de Moisés, esse é o contexto dessa palavra, daquilo que quero aqui falar. Deus me falou isso hoje, no meu TSD- Tempo Sozinho com Deus, no momento de meditação. E achei por bem escrever. Esse é um sermão para mim mesmo, mas pode servir para quem quer que ler essa palavra. Ora, porque a multidão não entendeu? Bom, é porque estavam, como já disse, com sua compreensão no nível racional, natural e humano. Jamais iriam compreender, porque, uma dos princípios da Lei Mosaica, composta de todo o código de leis formado por 613 disposições, cheia de ordens e proibições, que no hebraico é chamada de Torá, que pode significar lei como também instrução ou doutrina. Nessa Lei dizia que beber sangue é sacrilégio, e comer carne humana, nem pensar, apesar de haver um relato no Antigo Testamento de uma fome terrível, em que as mulheres comeram os próprios filhos. E essa punição estava profetizada em EZEQUIEL 5:8-10 Como punição, o Senhor fará com que as pessoas comam a carne de seus próprios filhos e filhas, cumprindo-se em Samaria.

Em tempo de extrema fome na terra de Samaria, duas mães combinam de cozinhar e comer os próprios filhos (2 Reis 6:24-33), mas ai dizemos, que absurdo, se a Lei proibia se alimentar com sangue, quanto mais humano? Claro que comer também a carne humana parece absurdo também. Mas isso já aconteceu, e agora, Jesus vem falando de uma FOME e uma SEDE ESPIRITUAL, e eles não entenderam isso. Se houve uma fome severa, onde os pais cozinharam os próprios filhos, há hoje uma fome severa e uma sede severa, que solapa a vida das pessoas. Jesus falou foi desta fome e desta sede: a sede de Vida eterna, a sede de Deus, e a fome de Deus. Quer se alimentar hoje? Coma do Pão Vivo que desceu do céu! Beba do seu sangue, para não ter sede mais.

Voltemos à história da MULTIDÃO de discípulos. Ao ouvir o discurso, feito por Jesus, o que aconteceu? Eles se dispersaram, e de uma MULTIDÃO de discípulos... Quantos restaram?
1)      Só doze. (João 6:70).
2)      Dos 12, um traiu, Judas que ainda se matou, agora só restam 11.
3)      Dos 11, um duvidou, Tomé, e agora, acreditando, só restaram dez. Mas Tomé foi resgatado, em um das reuniões, mesmo cheio de dúvidas, ele estava lá, e Jesus disse: Depois disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente.
E Tomé respondeu, e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu!
Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram”
. (João 20:27-29)
4)      Dos Dez que acreditaram, um negou a Jesus. Pedro: E Pedro negou outra vez, e logo o galo cantou”. “(...) E ele negou outra vez com juramento: Não conheço tal homem”. “(...) Porém, ele negou-o, dizendo: Mulher, não o conheço”. (João 18:27, Mateus 26:72, Lucas22:57). Pronto: só sobraram 9, porém, Pedro foi também resgatado quando chorou amargamente.
5) Dos 9, dois dormiram (João e Tiago), incluindo Pedro, o resgatado. Resgatado, por quê? Porque o vemos subindo ao monte da transfiguração com Jesus. Mesmo assim, com uma segunda chance, Pedro também dormiu. Veja: além de ter negado o filho de Deus, o carinha dormiu, quando Jesus mais precisou! (Marcos 14:32-37), mas foi ao líder (Pedro) que Jesus se dirigiu mais uma vez: “E, chegando, achou-os dormindo; e disse a Pedro: Simão, dormes? não podes vigiar uma hora?”.  Só restaram 6 agora. Dormir foi a segunda falha de Pedro!
6) Dos 6 que restaram, o que mais iria acontecer, depois de Pedro, Tiago e João terem dormido? Jesus seria pego pelos soldados romanos e levado a julgamento no cinéreo. Veio, as acusações, o martírio, o vilipendio e a crucificação!

O QUE APRENDI COM O RESGATE DE PEDRO?

Dessa reflexão, algumas perguntas me vieram à mente, creio que feitas pelo Espírito Santo durante a meditação:
- Por que Jesus teria levado Pedro ao monte da transfiguração, se este o negaria, horas antes? (Jesus não saberia disso? Claro que sabia, porque é Deus).
- Faze-te ao mar alto, e lançai as redes...”, Pedro o obedeceu, e com isso presenciou o primeiro grande milagre dos peixes intitulado em algumas Bíblias como “A Pesca Maravilhosa”;
- Tinha pré-disposição a defender quem estava do seu lado: Por impulso de um verdadeiro líder, Pedro puxou sua espada, cortando a orelha do soldado de nome Malco em João 18:10, mas Jesus o repreende por isso;
- É com Pedro que Satanás ficou preocupado, e quis derrubar (Lucas 22:31,32).

 O que entendi pelo Espírito, sobre PEDRO, também, é que, apesar de suas fraquezas, que o levou a negar a Cristo, esse cara tinha uma pré-disposição para ser líder. Basta vermos alguns atributos de um líder nas narrações relacionadas a Pedro: Ele quem vai à frente em vários momentos, como pescador e como seguidor de Jesus.
- Como pescador, é para ele que Jesus dirige a palavra (Mat. 4:18-20).
- É também para Pedro que Jesus diz, em Lucas 5:4: “Quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao largo e lançai as vossas redes para a pesca.
- É ele que responde a Jesus com uma justificativa: Ao que disse Simão: Mestre, trabalhamos a noite toda, e nada apanhamos; mas, sobre tua palavra, lançarei as redes”. (Luc.5:5)
- Como pescador, é para ele que Jesus dirige a palavra (Mat. 4:18-20).

A preocupação de Satanás com Pedro narrada por Lucas:E, quando acabou de falar, disse a Simão: Disse também o Senhor: Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo; mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos”. (Lucas 22:31,32)

E os que dormiram: Que lição aprendemos?

Jesus chamou Pedro para o monte da transfiguração, porque tinha um plano. Jesus entendeu que, aquele Pedro-lider, precisava ser resgatado, por isso o levou consigo. João e Tiago, que também dormiram. O que isso nos ensina?

“Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, aos quais deu o nome de Boanerges, que significa filhos do trovão;
André; Filipe; Bartolomeu; Mateus; Tomé; Tiago, filho de Alfeu; Tadeu; Simão, o zelote,” (Marcos 3:17,18)

Dormindo na Vigília?

Os dois discípulos João e Tiago, que dormiram, além de Pedro, também nos ensinam uma lição.

1)      O “discípulo do amor”: João é chamado de “O discípulo do amor”, e, o fato de o “discípulo do amor” ter dormido na ora da oração de Jesus, nos ensina algo muito importante: Que o amor não resolve. É preciso ter atitude de amor, desenvolver ações que demonstrem esse amor prático, que envolve tomar decisões de ir ou ficar, sacrificar algo, como o sono, por exemplo, para passar uma vigília com Jesus. Mas não era uma vigília cheia de louvores alegres para animar, um louvor que envolve técnicas para manter-nos acordado e muito barulho para manter o “zezão da mata” (espírito do sono) longe de nós. João não conseguiu sacrificar o sono, ele dormiu de babar, assim que o primeiro momento daquela vigília começou. Nem esperou acontecer o segundo, e quasndo este veio a acontecer, lá estava o “discípulo do amor”, cochilando.  Dormindo de novo? Sim, como é de praxe em algumas vigílias. Aquela vigília era sem louvor: Não havia uma banda tocando, naquela vigília não havia louvor, era um momento triste, onde até as gotas de suor de Jesus transformaram-se em gotas de sangue. Ele já sentia toda a dor que iria passar brevemente, e aquele cálice era inevitável, e só Ele, e apenas Ele poderia bebê-lo. O Dr. Paul E. Billheimer, evangelista e veterano mestre da Bíblia, autor do livro Seu Destino é a Cruz afirma que Jesus era o único habilitado para representar-nos no “tribunal do mundo espiritual”, e depois, sair de lá vitorioso e com as chaves da morte e do inferno nas mãos para entregá-la para a Igreja. Cristo já sentia todo o ardor da luta que iria ser travada, desde o seu julgamento, passando pela trajetória da via-crúcis (do latim Via Crucis, "caminho da cruz") que é o trajeto seguido por Jesus carregando a cruz, que vai do Pretório até o Calvário, para enfim, ser ali crucificado e morto, e três dias depois ressuscitar.

2)      “Filhos do Trovão”: João e Tiago também chamados por Jesus de “Filhos do Trovão”. O trovão é barulhento, causa espanto, então eles tinham que estar em alerta, não podiam cochilar durante aquele momento de agonia de Jesus. Precisava de alguém que passasse ânimo, porém eles dormiram. Isso significa que o barulho natural não resolve o problema, não é sinal de agir do Espírito Santo, porém há também barulhos que são sinais do agir de Deus, e é deste barulho do agir de Deus, e não do natural, que Jesus precisava.

Todo barulho é sinal da presença de Deus durante um culto?

Não! Pode ser um barulho da carne, da emoção, e nada espiritual. Porém, na derrubada dos muros de Jericó Josué orientou o povo a fazer muito barulho (Josué 6:16,20), e no toque das trombetas e gritos em uníssono, os muros caiaram.

Diz na narrativa de Josué: “Gritou, pois, o povo, tocando os sacerdotes as buzinas; e sucedeu que, ouvindo o povo o sonido da buzina, gritou o povo com grande brado; e o muro caiu.”

A Bíblia relada manifestações de Deus com muito barulho (Êxodo 19:16-20). NO MONTE SINAI apareceu ocultado por uma grande NUVEM LUMINOSA, de onde vinham relâmpagos, trovões e som de buzina muito alto; barulho de trovão e relâmpagos.

Há momento que o silêncio é necessário Josué 6:10: “Porém ao povo Josué tinha dado ordem, dizendo: Não gritareis, nem fareis ouvir a vossa voz, nem sairá palavra alguma da vossa boca até ao dia que eu vos diga: Gritai. Então gritareis.”

Salmos 46:10: “Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a terra.”

Que tipo de barulho, temos ouvido na Igreja?
Que tipo de barulho, temos feito? Barulho da alma? Barulho meramente carnal? O Espírito ou da emoção?


O barulho que causa medo ao inferno não é aquele feito pela carne e nem com as emoções, mas aquele que é dirigido pelo próprio Espírito de Deus: o espiritual! 

sábado, 27 de fevereiro de 2016

AS TRÊS CRUZES E UMA COLINA

TRÊS CRUZES, MAS APENAS UM RESSURRETO

Numa colina, três cruzes foram erguidas. Três homens foram crucificados nelas, mas apenas um ressuscitou. Gestas era um homem indolente, desalmado e insolente, ele olhou para o homem da cruz do meio, e lhe disse uma porção de besteiras, desferiu palavras de um coração duvidoso, e usando a condicional “se”, descarregou e àqueles ouvidos inocentes as palavras tão amarguras quanto a sua alma, desafiando-o a descer da cruz, mas Ele permaneceu firme, ficou ali, resoluto, mas submisso ao Pai que o enviara para uma dura missão. Mas bem ao lado dele, havia outro homem, este, mais humilde em reconhecer que o homem da CRUZ AO CENTRO não deveria estar ali, pois nenhum crime lhe fora imputado. Então o sujeito homem, Dimas, que reprovou a atitude blasfema de Gestas, reconhecendo, que tanto o da direita quanto o da esquerda, mereciam mesmo, estar ali, reprovou de imediato a língua maldosa de Gestas, o típico homem ímpio que não reconhece seus erros. Ali, bem na cara de Dimas estava um início, impiedoso de coração tão duro quanto uma rocha. Mas a cruz ao centro também fora erguida por Gestas, e o homem que nela estava preso aos cravos e com uma coroa de espinhos também estava ali por ele. Ali estavam simbolizados os pecados, na pessoa de Dimas, o pecador, representando a multidão dos que profeticamente reconheceriam humildemente seus erros, ao ponto de se arrependerem de todos os seus eles, e ouvir do homem da cruz ao centro: “Hoje mesmo estarás comigo no paraíso”. Mas do outro lado havia um sujeito covarde, orgulhoso, indecentemente praticante do mal. Gestas, o soberbo, cujos lábios degustava iniquidades, cuja alma obscurecida pelas maldades, fazia questão de tripudiar com ironias, mesmo sofrendo na carne, sobre aquele que na cruz ao centro inocente, sofria. Aquele sujeito, não muito homem denominado Gestas profeticamente representavam aqueles, cujos corações endurecidos, são até hoje, incapazes de se render-se à inocência daquele quer na cruz do meio sofria. Áh, meu amigo, como deve ser duro quando o juízo final para tais que como Gestas se portam nesses dias. Um dia me chamaram de fraco e covarde por ter me curvado aos pés daquela cruz ao centro, mas lendo um livro preto que conta a História da Cruz, descobri que covarde e fraco são aqueles, que como Gestas, têm medo de confessar seus pecados e, por serem medrosos e covardes, são fracos porque têm medo do que vão dizer as pessoas quando os verem rendidos. Covarde e fraco foi Gestas que não reconheceu que ele sim, merecia estar ali, mas aquele homem da cruz ao centro, não. Dimas se indignou com as duras e margas palavras de Gestas:

"E um dos malfeitores que estavam pendurados blasfemava dele, dizendo: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a nós.” . Foram essas as palavras daquele que representa os corações duros, cauterizados pelo pecado. O doutor Lucas registrou a fala do covarde! (Lucas 23:39)

Quanto as palavras de Dimas, aquele que profeticamente nos representa, e a todos aqueles que se renderem aos pés da cruz, olha o que o doutor registrou:

“Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Tu nem ainda temes a Deus, estando na mesma condenação? E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez. E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo hoje que estarás comigo no Paraíso." (Lucas 23:40-43)

A MULTIDÃO DOS GESTAS ESTAVAM ASSISTINDO TUDO

Gestas é uma figura, que a pesar de ser literalmente um ladrão, é retratado aqui como uma metáfora que representa todos aqueles pecadores contumazes, quem sabe, crentes desviados e conhecedores da Palavra, porém, endurecidos de tal forma que se irritam só de ouvir alguém falando e recitando versículos. Representa tantos "gestas", aquele Gesta que zombou de Jesus na cruz, que fiz questão de colocar um trecho escrito por Mateus abaixo. Mas por fim, faço um apelo ao final. Mateus, um coletor impostos da época registrou assim a fala dos "Gestas": 

As pessoas que passavam lançavam-lhe impropérios, balançando a cabeça.  E exclamavam: “Ó tu que destróis o templo e em três dias o reconstróis! Agora salva-te a ti mesmo. Desce desta cruz, se és o Filho de Deus!” Do mesmo modo, os chefes dos sacerdotes, os mestres da lei e os anciãos zombavam dele, vociferando:  “Salvou a muitos, mas a si mesmo não pode salvar-se. É o Rei de Israel! Desça agora da cruz, e passaremos a crer nele.  Pregou sua confiança em Deus. Então que Deus o salve neste instante, se verdadeiramente por ele tem piedade, pois afirmou: ‘Sou Filho de Deus!’”.  (Mateus 27:39, 40, 41, 42, 43, 44)

A multidão dos covardes é representada por Gestas, e já naquela época, no episódio da crucificação, já incluía aquelas pessoas comuns e religiosos, líderes, sacerdotes, conhecedores da letra morta, quer não se rendem com sinceridade àquele que estava pendurado pelos cravos naquela cruz. Os GESTAS daquela época representavam também profeticamente os Gestas de hoje.Mas graças a Deus que também tem os Dimas que são capazes de se humilhar  aos pés da cruz, e ter suas almas lavadas e remidas pelo sangue do Cordeiro. A cruz ao centro representa o verdadeiro e único sacrifício capaz de nos incluir na certeza do “bom ladrão”, certeza esta, de que hoje mesmo, estaríamos no paraíso, se fôssemos surpreendidos pela morte como Dimas. Mas isso só vale para quem aceitando a Jesus, abandona a vida pregressa, e toma publicamente a corajosa decisão de reconhecer seus pecados.

- E ai, tem essa certeza que teve Dimas?

Desafio-te a tê-la!

João 3:16-19- “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.
Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.
E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más.

sábado, 20 de abril de 2013


PROFESSORES EM ASSEMBLEIA NA PAULISTA DECIDEM ENTRAR DE GREVE
Nesta sexta-feira, a partir das 14 horas, milhares de professores se reuniram embaixo do MASP, na Avenida Paulista, o coração financeiro de São Paulo e em votação unânime decretaram greve. O calendário apresentado pela categoria é o seguinte:
• Segunda-feira: conversar com os professores e alunos para conscientização.
• Terça-feira: conversar com os pais, informando sobre a greve e a necessidade da mesma, e os por quês.

Duas horas antes eu já estava na Paulista. A pista estava vazia, e o MASP não tinha ninguém, exceto um grupo de alunos que foram visitar o museu.
 
 
Mas, algumas horas depois...
A PAULISTA E O MASP FICARAM ASSIM DEPOIS DE ALGUAMS HORAS...

  
 

Eramos cinco mil professores!

 

 

MAS AINDA MUITOS NÃO SE MOBILIZARAM

Estão esperando ficar assio, óh..!

 

Os professores paulistas entram em greve por quê?


1.   Reposição salarial de 36,74% e complementação do reajuste refe­rente a 2012;
2.   Pelo cumprimento da lei do piso: no mínimo 33% da jornada de tra­balho para atividades de formação e preparação de aulas;
3.   Dignidade na contratação, condi­ções de trabalho e atendimento no IAMSPE para os professores da categoria O;
4.   Fim da remoção ex-officio e da de­signação de professores das Escolas de Tempo Integral;
5.   Regime de dedicação exclusiva para todos, por opção de cada professor(a);
6.   Melhores condições de trabalho e políticas de prevenção do adoeci­mento dos professores;
7.   Fim da lei das faltas médicas;
8.   Fim dos descontos de faltas e licen­ças médicas para efeito de aposen­tadoria especial;
9.   Fim das provinhas e avaliações ex­cludentes;
10. Por um plano de carreira que atenda às necessidades do magistério.
11. Não à privatização do Hospital do Servidor Público Estadual e do IAMSPE.

 

A GREVE É NOSSA. A CULPA É SUA, SENHOR GOVERNADOR!

Iniciamos a passeata na Avenida Paulista e fomos até a Praça da República. Os professores se concentraram em frente a cede da Secretaria de Educação com palavras de ordem e grito de pprotestos.

Vários jornais, e até a Rede Globo, tiveram que se curvar à grande manifestação. Veja um trecho de jornal:
 “A luta por reajuste salarial, contra a precarização do trabalho, contra priva­tização do HSPE e outros setores do IAMSPE, por melhores condições de trabalho e outras reivindicações unificam os interesses de todo o funcionalismo estadual. Por isto, a APEOESP, por meio do Fórum do Funcionalismo da CUT/SP, está se articulando com outras entidades de servidores estaduais. Também já ini­ciou articulação com as demais entidades da educação para exigir do Governo que realize negociações. Conforme decisão da assembleia, a APEOESP proporá um ato unificado de todo o funcionalismo no dia 19 de abril. Os servidores da saúde já decidiram pela greve a partir de 1º de abril. Outras categorias poderão entrar em greve”.
 
HÁ QUANTO TEMPO A EDUCAÇÃO ESTÁ PADECENDO?
Há muito tempo estamos sob a ditadura do PSDB? Observe o quadro abaixo e irá ver que estamos nas mãos dessa ditadura por duas décadas, ou seja, 20 anos.
 
 
 
O CAOS DA EDUCAÇÂO: Todos contra o empobrecimento do currículo!
 
Quando Serra governou São Paulo e na área da educação foi o pior governo que já enfrentamos. Gastou dinheiro público com remessas de livros com cenas impróprias para os adolescentes, livros com figuras de mulheres seminuas e palavras obsenas, tendo que recolhê-los por conta das denúncias. Gastou dinheiro para publicar apostilas que ele e seu secretário de educação chamaram de "CURRÍCULO", porém, de péssima qualidade. Além de substituir os LIVROS, as apostilas apresentaram vários problemas, desde erros ortográficos a coisas bisarras. A apostila de Inglês trazia a palavra ENSINO com "C" repetidas vezes. A apostila de GEOGRAFIA trazia três vezes o PARAGUAI e exclia a Bolívia do mapa. A Bolívia foi tirada do mapa das apostilas de Geografia de Serra e de seu secretário na época. Assim que peguei a apostila de HISTÓRIA vi que no 3º ano do ensino médio havia o título equivocado NEOCLACISSISMO no lugar de Neocolonialismo. Bom, acostumado a debater tanto essa maldita forma de dominação que os tucanos adoram, visto que no governo de FHC a política econômica foi totalmente ABERTA aos produtos e capitais importados de fora redundando em desvalorização daquilo que é nacional, logo informei aos colegas que não poderia ser Neoclassicismo, mas Neocolonialismo que deveria estar escrito ali. Até disse na época: uai, professor de História também agora terá que ensinar Literatura aos alunos, porque, Neoclassicismo é da ária de Língua Portuguesa e não de História!
Serra estava mal
informado. Mal assessorado na educação, bom, o forte dele não é as matérias de humanidades, mas de exatas. Ele estudou para ser engenheiro. Bom, mas para um partido que substitui um médico por um engenheiro, errar em coisas básicas como a educação não parece muito grave, não é? Serra substituiu o médico formado Adib Jatene que tinha um plano ousado para conter a epidemia de dengue no Brasil, mas FHC achou inviável por conta dos gastos, e substituiu o médico pelo engenheiro. Mesmo como engenheiro, a qualidade de Serra deve ser ruim, pois em seu governo vários incidentes envolvendo quedas de viadutos foram noticiados na televisão, viadutos desabavam encima de veículos que trafegavam. Quem não se lembra?

Esse é apenas um pouco do histórico de um governador desastroso. Tem o incidente de Paulo Preto, responsável pelas obras superfaturadas dos rodoaneis. Esse cara sumiu com 200 milhões e ninguém foi punido, nem ele nem Serra. Nesse governo a máfia dos pedágios ficaram muito felizes com as praças de pedágios que foram criadas. O pedágio de Osasco começou com 1:30 e agora está em 3 reais e 30 centavos. A cada 30 quilômetros um pedágio!
Serra e suas leis educacionais perversas. Em 2010 os professores foram ocupar a Paulista, fizeram greve contra a PLC 1093, que dividia em diversas categorias os professores, eliminava direitos adquiridos e instituía provas a todos os novos concursados e os professores das outras categorias. Efetivo que não passasse numa prova após o curso não assumiria o cargo, e as outras categorias que não passassem na prova ao final do ano, ficariam fora da sala de aula. Os professores "reprovados" ficariam hibernando por 200 dias, só podendo concorrer novamente ano seguinte. Por tudo isso, fomos à greve!

Não sabemos o que vamos fazer, nem que rumo tomar. A violência que começa com o trato oferecido aos professores pelos governos tucanos continua em salas de aulas lotadas, falta de estrutura decente nas escolas e um ensino apostilado precário. A violência e a indisciplina estão tomando conta do espaço escolar, os governos irresponsáveis não entendem o sentido genuíno da palavra GESTÃO, e muito menos os diretores que precisam substituir o termo “especialista de educação” formados em Pedagogia pelo conceito de “gestores”, essas pessoas não aprenderam em seus cursos de pedagogia um princípio muito importante: o de preservar a cultura interna da escola ou instituição não permitindo que “culturas de fora” influencie e mude a cultura interna. Aprendi num curso de pós-graduação, que os gestores devem criar um clima ambiental agradável para todos, atrair os “líderes negativos” para o lado bom permitindo que se entrosem sem se sentir intrusos, trabalhando o sentido de “pertencer” ao grupo, mas não é isto que acontece nas escolas: a “cultura de fora” adentrou os muros da escola e trouxe consigo a violência, a droga e os desacatos. Assim a escola deixa de ser um espaço para formação cultural e torna-se um coliseu de lutas e gladiadores. A situação é tão caótica que ninguém mais está aguentando. Professores novos desistem do cargo e os velhos se afastam por problemas psicológicos. Professor hoje é...

Profissão de risco
 
 
 
 


Não há segurança nem proteção alguma para garantir a vida do professor que fica frente a frente com delinquentes encaminhados pelo juizado às escolas em nome de uma falsa inclusão. São pequenos delinquentes assistidos pelos Conselhos Tutelares e amparados pelo ECA, e ninguém pode repreendê-los se quiser sobrever depois.

O governo de Geraldo Alckmin continua com sua fala mansa, porém esse tucano, ao perceber a perda de espaço político com a derrota de Serra em São Paulo e com a vitória de um candidato sem muita expressão política na prefeitura Fernando Haddad do PT, agora começa com aquele discurso moralista de REDUÇÃO DA IODADE PENAL PARA MENOR sendo que eles mesmos contribuíram para que a delinquência juvenil se alastrasse no estado mais rico da América Latina. Eles fecharam os olhos à violência nas escolas, fecharam escolas e construíram cadeias, disseram que educação é GASTO e não investimento, sucatearam o ensino, e vem gerando grande descontentamento profissional nos professores ao ponto de levar muitos a desistir da profissão. Se perguntar hoje dentro de uma classe que aluno ou aluna quer seguir à carreira do magistério, ninguém ousa dizer que este é um dos seus sonhos. Todos só querem escolas técnicas, SENAI, e muitos nem em universidade pensam, tal é a desvalorização intelectual. Fazer um SENAI ou um cursinho técnico por ai parece ser o sonho da maioria. Mas por que está acontecendo com essa geração? Sem perspectivas, abandonar a carreira de um curso superior parece ser a melhor saída, mas o problema é que ninguém percebe que a carreira universitária está se fechando para milhões de filhos de trabalhadores. A única esperança para muitos são as cotas e o ENEM, a Pró-uni, caso contrário, melhor mesmo fazer curso técnico para garantir o emprego. Ser mão de obra barata tornou-se mais lucrativo do que seguir uma carreira mais arrojada. É um contracenso, enquanto a política federal prega a universalização do ensino superior, em São Paulo o discurso do governo é de criar mais SENAIs e escolas técnicas. As FATECs e as ETECs são a menina dos olhos do PSDB em São Paulo. Esse discurso empobrecedor e barateador da mão de obra, feito pelos tucanos, rebaixa os trabalhadores e seus filhos, essa falácia tecnicista recai no inconsciente coletivo gerando um conformismo, e as pessoas entram nesse discurso medieval de que “filho de sapateiro, sapateiro será”, “filho de peixinho, peixinho é” e “uma vez servos, servo para sempre”, assim acabamos repetindo a velha ordem que imperava na França medieval, e criamos uma sociedade estamental de nobres, senhores, servos e um clero que manipula. Para ilustrar que tipo de sociedade estamos construindo, poderia dizer, que estamos caminhando rumo à Índia da época de Gandhi: uma sociedade de castas!

O discurso tecnicista cria a ilusão da falsa ascensão social, por isso, entra na mente dos paulistanos, “faz a cabeça” dos alunos e até de professores desestimulados, e estes, acabam reproduzindo o mesmo discurso ideológico do governo neoliberal. Perdidos nesse marasmo confuso e difuso e nesse contexto neoliberal o governo sucateia as escolas públicas e os profissionais "perdidos" entre os discursos acabam mesmo pensando que a saída é "dar qualquer coisa" em sala de aula, e quem quiser aprende, os demais que se danem. A “vida cuida”, dizem. Estamos vivenciando o mito da “Raposa e as uvas”. Conta a mitologia grega, que a raposa, querendo saborear algumas uvas, parou debaixo de uma parreira, e vendo no alto as uvas, pulava para tentar alcançá-las. Mas os cachos bonitos e viçosos estavam muito altos, longe de seu alcance. O que faz então a raposa?
A pobre raposa pulou o dia todo, sem sucesso. E quando se cansou disse: "Ah, estão verdes mesmo"! Qual a moral da história? Não verdade, que as uvas estavam verdes. A verdade, é que a raposa, havia se cansado de pular, e por isso parou, desistiu.

O discurso de que "as uvas estão verdes" se repete não mais em professores velhos, mas também nos novos. Estou cansado de ouvir na sala dos professores pessoas inteligentes com esse discurso: "Hoje dou qualquer coisa na sala, os alunos não vão conseguir muito mesmo".

Outro discurso muito comum tem sido: "Ah, na vida é assim mesmo, os que querem vão conseguir, outros não vão conseguir ir muito além mesmo. Na sala de aula é a mesma coisa, quem quiser irá para frente com notas boas, e quem fizer qualquer coisa, mesmo errado, vale uma média cinco rasa”, pensam. Semana passada na sala dos professores ouvi: "Desde que não atrapalhem a minha aula, já conscientizei os alunos que quem fizer as atividades, mesmo com todas as deficiências, terá “um cinco” como média. Ninguém vai ficar com nota vermelha. Claro, quem tem o mérito de tirar notas mais altas teão suas notas elevas, mas há aqueles que pelo próprio mérito poderão tirar 7, 8, 9 e até dez de média, mas deixei bem claro que é pelo próprio mérito deles". O curioso é que a pessoa completou: "Bom, o aluno passa por todas as séries, empurrado, por conta da progressão continuada, para depois repetir na 8ª ou na 3ª série, final do ciclo II, claro. Para muitos, deixar esse aluno repetir é bobeira". O duro é que o professor tem suas razões. Porque essa política de não reprovar o aluno nas séries intermediárias criadas pelo governo tucano é a pior das idiotices.

O discurso facilitador entrou na educação paulista, e com isso, a ideia de que “qualquer coisa vale” nivelou o ensino por baixo. A escola “democratizou-se” e facilitou a entrada de qualquer um, inclusive alunos com problema na justiça. Mas e os professores, que segurança tem? E os outros alunos que nunca se envolveram com crimes e drogas, e os que querem conseguir realizar seus sonhos a partir de uma escola decente? Muitas mães, se pudessem, tiravam seus filhos de determinadas escolas por conta dessas situações criadas pela “política de portas abertas” do governo tucano, mas sem saída, seus filhos continuarão expostos. Hoje ouvi o seguinte depoimento na casa de um cunhado meu: “Meu filho viveu a seguinte situação: um garoto maior que ele pegou umas cascas de bananas que outros colegas tinham comido na hora da merenda obrigou o meu filho a jogar aquelas cascas no lixo, sob ameaças. Meu filho, intimidado, foi, e jogou as cascas no lixo. Isso é uma humilhação, e é buling”. Eu logo disse: é verdade, e a gestão escolar precisaria tomar uma medida coercitiva nessa escola, porém, logo me lembrei de outras escolas onde trabalho, então eu disse a ele, que nós os professores, vivenciamos essa violência todos os dias nas escolas, e a impunidade se repete em todas. Ninguém toma uma providência mais séria, às vezes as reclamações nem são registradas pelos gestores ou responsáveis, tudo acaba em pizzas como no Congresso e a culpa recai nas costas dos professores. Acuados, se tornaram vítimas diretas dessa violência escolar. Pessoas de alta periculosidade estão à nossa frente todos os dias, em sala de aula estamos teti-a-teti com o perigo, porém, não se sabe o quê e quem iremos enfrentar, no momento em que chamarmos a atenção de um aluno ou aluna indisciplinados, já temos que ficar preparados, não sabemos que tipo de reação ele ou ela terá, e chamar a mãe para conversar também se tornou uma incógnita. Tem mãe ou pai que é pior que o aluno. Podemos chamar uma mãe e ela mesma agredir o professor ou outros alunos, e no lugar de apagar o fogo podemos estar jogando ainda mais combustível na fogueira, no final todos acabam numa delegacia. A delegacia, o Boletim de Ocorrências tornou-se a última instância a se recorrer. Depois que se espancou e até matou que se chama a polícia, tudo isso porque existem os especialistas que estão distantes desses problemas defendendo a tese de que aluno não é caso de polícia. Mesmo os que estão em liberdade assistida? Mesmo quem já tem algum crime nas costas e voltou para a escola por ordem de quem está nos gabinetes longe do perigo?

Professoras estão morrendo, sendo assassinadas em salas de aulas, vítimas de retaliações de delinquentes que em algum momento sentiu-se contrariados em sala de aula. Alunos disputam territórios, peitam professores e os desafiam para mostrar quem pode mais. E o professor?

Este, nada pode...
Viva a delinquência juvenil
Vamos celebrar a impunidade
Vamos celebrar o vandalismo e as depredações de patrimônio público
Vamos celebrar os desacatos e o desrespeito aos nossos mestres
Vamos celebrar a violência
Estendam tapetes vermelhos para receber aqueles que matam e espancam
Vamos oferecer nossos espaços aos “porcos”, alimentemo-los com pérolas
Desperdicemos nossas preciosas palavras, como João que gritava no deserto
Arrependam-se pecadores, que é chegado o reino
Que reino? Retrucam: porque o nosso é o da bagunça e o da patifaria!
Quem deu crédito à nossa pregação! Exclamaria Isaias...
É como disse no Apocalipse: “Quem está sujo, suje-se mais...”.
É assim que muitos preferem...
Então qual será a atitude dos que ainda se encontram limpos?
Recuar seria o melhor caminho?
Seria a melhor atitude celebrar a sujeira? Não creio...
Seria a melhor atitude fechar os olhos à violência?
A tecnologia avança, o meu celular é de última geração
Sou inteligentíssimo, pois consigo apertar um botão e acionar o blutoof
“Dá pra passar aquele vídeo para mim fazer uma média com as minas
Ops, a concordância verbal está horrível, disse a professora
Para mim, para eu, num importa, porque aqui é nóis na fita”
Ops, não é mais “fita” mano, agora é DVD, pendrive, cartão de memória etc.
Professora, posso pegar o meu tablet: “Não, agora é hora de pegar o livro”!
A senhora está atrasada professora, que livro? A moda agora é tablet, Ipod...
Professora, posso puxar o trabalho da internet? “Não, quero um resumo manuscrito...”, responde a professora.
Precisa fazer conclusão?
O que é bibliografia, professora?
É como diz uma música sertaneja: “a coisa tá feia, a coisa tá preta...”.
Professor já nem mais consegue sorrir: faz careta!
Paulo Freire tinha razão quando parafraseou Ruben Alves: “Ninguém ensina ninguém...”, só faltou complementar: “quando não se quer aprender”!
Só aprende quem quer, só ensina quem pode
Professor hoje não pode nada, então como poderá este ensinar se lhe tiraram o poder?
Como pode ensinar, se lhe roubaram os direitos?
Como podem gritar se lhes silenciam e lhes amordaçam as leis?
Como falar, se os gestores e governos não querem ouvir?
Não há debates, há burocratas que limitam as falas nas escolas e diretorias
Não há prazer no ambiente escolar, apenas indisciplina
Não há hospitalidade nem para professores e nem para os alunos
Instalaram câmaras nos corredores, mas quem está sendo vigiado é o professor
A escola é hoje um BigBrother, um realit, mas o show é dos alunos
Vamos celebrar a impunidade...
Celebremos a mentira da inclusão e a falsidade da democracia
Vamos celebrar a alienação daqueles que desistiram e não vão mais à luta
Vamos celebrar a omissão e a covardia dos que sofrem e se calam
Bem-aventurados são aqueles que ainda não perderam o poder da indignação
Felizes os que acreditaram e lutaram, porque poderão dizer se o barco afundar...
“Eu lutei...
Eu estava lá.
Poucos poderão dizer um dia: Eu caminhei pela Avenida Paulista!
Cruzei a Consolação e gritei frente à Secretaria de Educação!
Enquanto muitos se arrependerão no futuro por não terem lutado, outros dirão:
- “Eu estava lá!”.
Muitos se calarão nessa hora envergonhados, por não terem o que dizer...
Não se envergonham aqueles que lutam, mas aqueles que se acomodam perante o vitupério, estes sim, terão com que se envergonhar.
Envergonhados serão aqueles que negam a luta
Postergam a felicidade e abrem mão de um prato de comida em detrimento do celeiro
Melhor deixar de comer um pão hoje que perder a padaria inteira amanhã
Lembrem-se os mais velhos: professor só sabe dar aulas, mas escola não é bico para quem ama a profissão.
Escola só é bico para quem não precisa de salário para sobreviver, para quem tem outra fonte de renda a escola é bico.
Escola é bico para quem não luta, por isso o discurso é o de que a educação vai acabar
É mais fácil pensar como no mito grego da Raposa e as uvas...
Ah, estão verdes mesmo!
Vamos celebrar a covardia...
Não há segurança nem proteção alguma para garantir a vida do professor que fica frente a frente com delinquentes encaminhados pelo juizado às escolas em nome de uma falsa inclusão. São pequenos delinquentes assistidos pelos Conselhos Tutelares e amparados pelo ECA, e ninguém pode repreendê-los se quiser sobrever depois.

 

“Educação é a primeira necessidade do homem depois do pão”

 
Mas nos governos tucanos isso não é verdade. O governo de Geraldo Alckmin continua com sua fala mansa, porém esse tucano, ao perceber a perda de espaço político com a derrota de Serra em São Paulo e com a vitória de um candidato sem muita expressão política na prefeitura  Fernando Haddad do PT, agora começa com aquele discurso moralista de REDUÇÃO DA IDADE PENAL PARA O MENOR, sendo que esses mesmos governos contribuiram para que a delinquência juvenil se alastrasse pelo estado mais rico da América Latina.  E como fizeram isso? Eles fecharam os olhos à violência nas escolas; eles fecharam escolas e construiram cadeias. Victor Hugo dizia  “Constrói-se uma escola, fecha-se uma cadeia”, isso foi dito no século XIX, e esse famoso escritor francês deve hoje revirar-se no túmulo se soubesse o que os tucanos fazem com a educação.   Victor Hugo ficaria muito triste com essa visão tucana de que educação é GASTO, e não investimento, é por isso que esses governos covardes sucatearam o ensino, eles vêm gerando grande descontentamento profissional nos professores, ao ponto de levar muitos a desistir da profissão. Se perguntar hoje dentro de uma classe, que aluno ou aluna gostaria seguir à carreira do magistério, ninguém ousaria dizer: este é um dos meus sonhos! Quando pergunto aos alunos e alunas, todos, com raras excessões, só querem escolas técnicas e senai, muitos nem pensam em universidade, tal é a desvalorização intelectual. Fazer um senai ou um cursinho técnico por ai parece-lhes ser o sonho mais possível. Mas po que, está acontecendo isso com essa geração? As elites continuarão no tôpo da pirâmide:


Para muitos alunos sem perspectivas, abandonar a carreira de um curso superior parece ser a melhor saida, mas o problema é que ninguém percebe que a carreira universitária está se fechando para milhões de filhos de trabalhadores. Inconscientemente estão fortalecendo os que estão no tôpo da pirâmide. A única esperança para muitos são as cotas e o ENEM, a Pró-uni, caso contrário, melhor mesmo fazer curso técnico para garantir o emprego. Ser mão de obra barata tornou-se mais lucrativo do que seguir uma carreira mais arrojada. É um contracenso, enquanto a política federal prega a universalização do ensino superior, em São Paulo o discurso do governo é de criar mais senais, escolas técnicas. Fatecs e Etecs são a menina dos olhos do PSDB em São Paulo. Um discurso empobrecedor e barateador da maõ de obra recai no inconsciente coletivo e entra na mente dos paulistanos, faz a cabeça dos alunos e até de professores desestimulados, perditos nesse marasmo confuso e difuso do contexto neoliberal que sucateia as escolas públicas os profissionais "perdidos" entre esses discursos ideológicos feito pelos tucanos já estão mesmo pensando que a saida é "dar qualquer coisa" em sala de aula. Estamos vivenciando o mito da Raposa e as uvas.
 
Na mitologia grega há um conto que diz o seguinte. A raposa querendo saborear algumas uvas, parou debaicho de uma parreira, e vendo no alto as uvas, pulava para tentar alcançá-las. Mas os caichos bonitos e viçosos estavam muito altos, longe do seu alcance, a raposa pulou o dia todo sem sucesso. Quando a raposa se cansou disse: "Ah, estão verdes mesmo". Não é que as uvas estavam verdes, mas é que a raposa havia se cansado de pular.
 
O discurso de que "as uvas estão verdes" se repete, não mais em professores velhos, mas também nos novos. Já ouvimos na sala dos professores pessoas inteligentes com esse discurso: "Hoje dou qualquer coisa na sala, os alunos não vão conseguir muito m,esmo". Tenho ouvido esse discurso assim: "na vida é assim, os que querem vão conseguir. Na sala de aula é a mesma coisa, quem quiser irá para frente com notas boas, e quem fizer qualquer coisa, mesmo errado, vale um  cinquinho raso. Alguém disse semana passada na sala dos professores: "Desde que não atrapalhem minha aula, se o aluno fizer as atividades, mesmo com todas as deficiências terão nota 5. Ninguém vai ficar com nota vermelha. Claro, quem tem o mérito de tirar notas mais altas teão suas notas elevas, pelo próprio mérito". Curioso é que a pessoa completou: "Bom, o aluno passa por todas as séries empurrado por conta dea progressão continuada para repetir na 8ª ou na 3ª série, final do cíclo II, claro que deixar esse aluno repetir é bobeira". O duro é que o professor tem suas razões, porque, essa política de não breprovar o aluno nas séries intermediárias criada pelo governo tucano é a pior idiotisse. O discurso facilitador entrou na educação paulista. Com isso, facilitou-se a entrada de qualquer um também, mesmo os com problema na justiça, pessoas de alta periculosidade estão à nossa frente dia a dia em uma sala de aula, porém, não se sabe quem e o que iremos enfrentar no momento que chamarmos a atenção de um aluno ou aluna indisciplinados, não sabemos que tipo de mãe iremos chamar para conversar. Podemos chamar uma mãe e ela mesma agredir o professor e outros alunos. Professores estão morrendo, sendo assassinados em salas de aulas, vítimas de retaliações de delinquentes que em algum momento sentiu-se contrariados em sala de aula. Alunos disputam territórios, peitam professores e os desafiam para mostrar quem pode mais.


 
 
E AI PROFESSOR VAI FAZER IGUAL A HISTÓRIA DA RAPOSA E AS UVAS? VAI DESISTIR DE LUTAR ENQUANTO OUTROS COLEGAS SÃO ESPANCADOS E MORTOS?
 
 
 

OUTRAS FOTOS DA MANIFESTAÇÃO

 
 
A HORA DA DECISÃO
 
 
 
A GRANDE MARCHA PELA PAULISTA